Angola e Moçambique geraram 78% dos lucros do banco português BPI no primeiro semestre de 2016

    As participações do grupo bancário português BPI em Angola e Moçambique contribuíram, somadas, para 78% do lucro líquido total da entidade durante o primeiro semestre de 2016. A informação foi divulgada em relatório de contas publicado pelo grupo em 26 de julho.

    Segundo o documento, o lucro líquido global do grupo BPI no período em questão foi de aproximadamente € 106 milhões. Angola foi a principal origem desse retorno, tendo sido, sozinha, responsável por cerca de 75% do total. O mercado moçambicano, por sua vez, foi a origem de 3% do lucro líquido. Na comparação com o primeiro semestre do ano passado, os ganhos do BPI aumentaram 18,2% em Angola e caíram 9,5% em Moçambique.

    As atividades do BPI no mercado angolano são referentes ao Banco de Fomento de Angola (BFA), do qual o grupo português possui uma participação acionista de 50,1%. Os lucros do BPI em Moçambique são referentes a uma detenção de 30% das ações do Banco Comercial e de Investimentos (BCI).

    O grande peso do mercado angolano nos lucros do BPI é registrado há anos. No entanto, desde o final de 2014 o Banco Central Europeu (BCE) passou a exigir a redução dessa dependência, medida que gerou uma grande instabilidade entre os principais acionistas do banco, incluindo o grupo angolano Santoro Finance. O BCE já adiantou que poderão ser impostas sanções em caso de incumprimento. 

Leia também:

Rede brasileira de padarias drive-thru abrirá franquias em Portugal

"O imbróglio da dívida moçambicana: estratégias de extraversão", por Gabrieli Gaio

PUBLICIDADE

Acompanhe a Mercados & Estratégias