Apresentado projeto de fábrica de transformação de carvão em Moçambique para abastecer siderurgia no Brasil

    A empresa chinesa CBStell pretende investir na instalação de uma fábrica em Moçambique para transformar carvão e abastecer o setor siderúrgico do Brasil. Conforme noticiou a agência Macauhub, a intenção de investimento foi expressa por meio de um memorando assinado em 24 de fevereiro por representantes da empresa chinesa e do Governo moçambicano.

    Caso o projeto de investimento seja aprovado, a fábrica terá um investimento inicial de US$ 1,4 bilhão e será localizada em Nacala, cidade portuária no Nordeste de Moçambique. Essa localização é estratégica uma vez que Nacala é o destino de parte do carvão extraído em Moatize, uma das maiores reservas mundiais dessa rocha. A fábrica será destinada à transformação do carvão metalúrgico extraído na mina de Moatize em carvão de coque, produto que será exportado para o mercado brasileiro. Segundo estimativas da CBStell, o empreendimento terá uma capacidade de exportar quatro milhões de toneladas de carvão por ano para o Brasil, onde esse produto será usado na produção de aço.

- Continua depois da publicidade -

 

- - -

    Em setembo de 2016, a CBStell assinou um contrato para a construção de uma fábrica siderúrgica em Bacabeira, cidade do estado do Maranhão, localizado no Nordeste do Brasil. A fábrica, provável destino do carvão transformado em Moçambique, terá a capacidade de produzir três milhões de toneladas de aço por ano.

Leia também: Brasileira Vale aumentou produção de carvão em Moçambique

Leia também: Moçambique facilita concessão de vistos para investidores estrangeiros

Leia também: Moçambique terá a maior ponte suspensa da África ainda em 2017

    O memorano de intenções de investimento em Moçambiuque foi assinado em Maputo, capital do país africano, pela secretária-permanente do Ministério da Indústria e Comércio de Moçambique, Carla Soto, e pelo Presidente do Conselho de Administração da CBStell, Zhang Shengsheng. Após a assinatura do memorando, Shengsheng afirmou que as obras para a construção da fábrica em Moçambique serão financiadas pelo Governo chinês e deverão durar cerca de um ano.

Acompanhe a Mercados & Estratégias