Governo de Angola proíbe importação de carnes de empresas brasileiras investigadas

    O Ministério de Agricultura de Angola proibiu a importação de carnes provenientes de 21 empresas brasileiras investigadas por suposta adulteração de produtos. A proibição entrou em vigor por despacho assinado em 9 de maio, como referido pela agência Luso.

    O despacho determina que todas as carnes brasileiras importadas por Angola deverão ser analisadas e certificadas por laboratórios nacionais de controle de qualidade alimentar. Além disso, todos os importadores angolanos de carne brasileira deverão apresentar uma declaração do estabelecimento de origem.

    Em 17 de março, a Polícia Federal do Brasil deflagrou uma operação de combate à venda ilegal de carnes no país. A operação revelou um suposto sistema de irregularidades cometidas por 21 empresas brasileiras de forma a adulterar carnes vendidas para consumidores nacionais ou estrangeiros. Em resposta a essa situação, diversos países impuseram restrições temporárias à importação de carne brasileira.

- Continua depois da publicidade -

- - -

    Uma semana depois da deflagração, Angola lançou uma inspeção da carne brasileira que havia sido importada pelo país. O Governo angolano chegou a suspender a importação de toda a carne proveniente do Brasil, medida que durou até o final de abril.

    Angola é um dos principais destinos das exportações de carne brasileira. Em 2016, o país importou do Brasil US$ 18,1 milhões em carne bovina, US$ 39,7 milhões em carne suína e US$ 80,6 milhões em carne de frango. No mesmo ano, o país africano importou produtos de duas das 21 empresas brasileiras investigadas no âmbito na operação “Carne Fraca”.

Leia também:


Moçambique suspende importação de carnes brasileiras

Operação Carne Fraca: o que está em jogo nas exportações brasileiras

 

Produção agrícola em Angola cresceu em 2015/2016

 

 

Acompanhe a Mercados & Estratégias